Barragem de Berizal: últimos ajustes para incluir obra no PAC

Reunião em Brasília, nesta terça-feira, definiu os últimos detalhes para colocar a Barragem de Berizal no orçamento do governo federal.
   
Todos os detalhes técnicos que faltavam para a retomada das obras da Barragem de Berizal, paralisadas na região do Alto Rio Pardo há dez anos, foram acertados nesta terça-feira (15/4), durante reunião no Ministério da Integração Nacional, em Brasília. Pendências como a adequação das planilhas de custo para as obras de reassentamento e condicionantes ambientais foram resolvidas. O secretário Executivo do Ministério, Irani Braga Ramos, anunciou o fechamento da nota técnica definitiva que será enviada ao Ministério do Planejamento para que, finalmente, os recursos sejam incluídos na terceira etapa do Plano de Aceleração do Crescimento – PAC 3. A estimativa é que R$ 251 milhões sejam destinados para a conclusão das obras.
    
Participaram da reunião o deputado estadual Paulo Guedes (PT); o presidente da Ruralminas, Luiz Afonso;  o coordenador de obras do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Glauco Mendes; o coordenador estadual, Gustavo Xavier; e os engenheiros, Marcos Rangel e José Augusto Tostes.
    
Durante a audiência, Paulo Guedes reforçou a importância da Barragem de Berizal, considerada por ambientalistas e gestores públicos como solução para a seca nos municípios da região do Alto do Rio Pardo. “É uma obra que vai garantir o abastecimento humano e a perenização do Rio Pardo, minimizando os efeitos da seca e possibilitando ampliar as oportunidades de renda e oferta de alimentos em toda a região”, disse ao lembrar que a estimativa é que sejam beneficiadas aproximadamente 120 mil pessoas em 17 municípios norte-mineiros.
    
Histórico da Barragem

A construção da Barragem de Berizal foi iniciada há 17 anos e está paralisada há uma década, por determinação do Ministério Público, em atendimento à solicitação de embargo por parte da FEAM (Fundação Estadual de Meio Ambiente de Minas Gerais), que considerou insuficientes os estudos ambientais elaborados pelo Dnocs. O investimento já realizado foi de R$ 26,5 milhões. Aproximadamente 40% dos serviços estão concluídos, compreendendo a galeria da tomada d’água e escavação e concretagem parcial do vertedouro.

Barragem de Congonhas

Na mesma reunião, o coordenador estadual do Dnocs, Gustavo Xavier, informou que também estão sendo feitos todos os ajustes para o lançamento dos editais de licitação da Barragem de Congonhas, que será construída entre os municípios de Grão Mogol e Itacambira, no Norte de Minas. A obra vai garantir o abastecimento de água para mais de 500 mil moradores de Montes Claros, Francisco Sá, Janaúba, Juramento e Capitão Enéas, além da revitalização da Bacia do Rio Verde Grande, sub-bacia do Rio São Francisco.

 

Sharing is caring!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *